Arquivos da categoria: WordPress

DOMINANDO O WP-CONFIG.PHP – PARTE 2

este é o segundo artigo da serie Dominando o wp-config.php, acesse este link para ver mais artigos relacionados. Este artigo é destinado tanto para desenvolvedores do CMS – Content Management System – ou em uma tradução livre: Sistema de Gerenciamento de Conteúdo, quanto para pessoas que apenas utilizam ele mas não tem conhecimento em programação, caso no final desse artigo vocês tenham alguma dúvida não deixe de comentar 😉

 

Como aumentar a memoria do PHP

Como aumentar o limite da memória do php no wp-config.php

Se seu wordpress começou a apresentar a mensagem “Fatal Error: Allowed memory size 335544 bytes exhausted (tried to allocate 2975669 bytes) in…” quando estava tentando logar no administrativo ou fazendo alguma tarefa administrativa (ativar tema, instalar plug-in…) é porque você estourou o Memory Limit do PHP, existe varias formas de aumentar esse limite, entre elas pelo php.ini, .htaccess e até mesmo conversando com sua empresa de hospedagem, mas como nosso foco é wordpress, vamos ensinar fazer a mudança pelo wp-config.php.

Tal arquivo fica na raiz da instalação do wordpress (padrão) ao editar ele basta adicionar as seguintes linhas logo após a abertura do arquivo – depois do “<?php”

define(‘WP_MEMOMY_LIMIT’,’96M’);

OBS: Onde ’96M’ é uma variável de quantos megas você quer liberar, normalmente o limite comum do php é de 32M ou 64MB inicialmente, logo 96m é o suficiente para a maioria dos casos.

 

Tela branca da morte

Esse erro é menos comum mas pode acontecer, normalmente acontece quando você tenta acessar seu site ou administrado e simplesmente vê uma tela branca, conforme a imagem abaixo:

white-screen-of-death

Se sua tela está assim, fique calmo e vamos a solução, segundo o codex (bíblia do wordpress) existe varias formas para verificar a origem do erro, entre as mais comuns estão, renomear a pasta de plug-ins que fica em raiz/wp-content/plugins ou na pasta theme que fica em /wp-content/themes, entre outras dicas (link) , uma sacada que eu dou e que pode te poupar muito tempo é ativando o modo deBUG do WordPress (link do codex) para ativar o modo debug é simples, basta procurar no seu wp-config.php a seguinte linha:

define(‘WP_DEBUG’, false);

e mudar o valor do arquivo para true, caso não ache a linha, fique a vontade para adicionar:

debug_wordpress

com isso você poderá ver em que linha está o erro, e já ter uma noção se o erro é por causa de plug-in thema ou se seu core foi corrompido, mais adiante falaremos o que fazer se seu core foi corrompido. entenda por core do wordpress tudo que  é nativo do wordpress , excluindo  plug-ins e temas.

 

Atualizei meu tema ou plug-in e meu wordpress quebrou

Outro erro comum é quando você não ler o aviso do wordpress solicitando um backup antes de qualquer atualização ai você faz a atualização e por algum motivo a atualização da um erro no seu wordpress, com você sem acesso ao painel administrativo uma forma de desativar o elemento causador do erro é renomeando, só por fazer isso você já terá acesso ao administrativo. mas se o Erro não por em um plug-in ou tema mais sim no WordPress, o que fazer? no tópico a seguir vamos abordar isso.

Como reinstalar o WordPress sem perder conteúdo

Se você se deparou com algum erro que não envolve plug-in ou tema a solução mais rápida pode ser instalar o wordpress do zero.  se você tiver tempo você também pode procurar o erro no google. Para fazer isso é simples, precisamos ter em mente que tudo o que você fez em seu blog/site/loja fica em wp-content e no banco de dados (representando pelo arquivo wp-config.php) – digo com as credenciais de acesso salvo.

então você pode deletar o restante dos arquivos e pastas, depois disso basta você baixa a ultima versão do wordpress no site br.wordpress.org no seu pc, remover a pasta wp-content e subir pro servidor – o arquivo wp-config.php não existirá no wordpress antes dele ser instalado.

Em muitos casos isso será a solução dos problemas.

Lembre-se backup é bom quando existe pelo menos backup do backup.

essas foram algumas dicas, em breve colocaremos outras 🙂

gostou? discorda de algo? não deixe de comentar 😉

TRABALHANDO EM AMBIENTES COM DOMíNIOS DIFERENTES DE FORMA FáCIL NO WORDPRES – MáGICAS NO WP-CONFIG PARTE I

Esse é o primeiro post da série, fazendo mágica no wp-config.

Para quem não conhece ou não esta familiarizado com o WordPress, o wp-config.php é o arquivo de configuração de do cms, que contém diversos defines para configuração da aplicação.

A ideia de escrever uma sequencia de artigos relacionado a um mesmo arquivo surgiu de uma submissão não aceita para uma palestra, na qual queria mostrar as diversas possibilidades do wp-config.php, mostrando que não é apenas um arquivo de configuração de banco de dados. Como não podia deixar de passar o conhecimento para frente, aqui estou eu escrevendo esse humilde primeiro post de uma série de posts relacionado ao wp-config.php.

E nesse arquivo tem diversas possibilidades, algumas delas bem uteis, outra legais e outras no mínimo curiosas.

Mas de inicio, o parte I, merece uma dica bem útil.

Vejo muita gente com grandes dificuldades em manter ambientes de produção, homologação e desenvolvimento, por conta das urls, e por default o WordPress salvar isso na base de dados. Muitas das vezes o usuário quer ir cadastrando informação mesmo sem o site ter ido ao ar, quer que vá com uma carga de dados, mas isso na instalação em outro ambiente que não tenha a url definitiva pode dar prolema.

Diversos sites dão dicas importantes de querys utilizando replace para migrar os domínios de todas imagens, urls de posts e de menu. Mas isso não se faz necessário, no wp-config.php existem diversos defines que podem ser utilizados e dois deles servem justamente para poder facilitar isso.

São os defines a seguir:

define(‘WP_HOME’,’http://novosite.com’);

define(‘WP_SITEURL’,’http://novosite.com’);

Outra ideia maneira é:

define (‘WP_HOME’, ‘http: //’. $ _SERVER [‘SERVER_NAME’]);

define (‘WP_SITEURL’, ‘http: //’. $ _SERVER [‘SERVER_NAME’]);

Correspondem ao Endereço do WordPress (URL), e ao Endereço do site (URL).

Os pontos positivos:

  • Diminui uma requisição no banco, pois esta salva no define e não precisará chegar a base de dados para saber a url.
  • Facilidade de migração para ambientes de desenvolvimento, desenvolvimento e homologação.
  • Facilidade na migração de domínios.

 

Os pontos negativos:

  • Bloqueio da configuração interna da url pelo wp-admin.

 

Em breve, veremos, como cadastrar usuário através do wp-config, como utilizar defines para melhorar a segurança do site e não estamos falando de chaves.

Fonte: http://lenonleite.com.br/2015/12/migrando-dominios-wordpress-com-duas-linhas-magicas-no-wp-config-parte-i/